Purim — Festival das Sortes - Daniel Alves Pena

Assista o novo vídeo de Daniel Alves Pena - [Fechar o vídeo]

Headlines News :
Home » » Purim — Festival das Sortes

Purim — Festival das Sortes

Postado por Daniel Pena em quarta-feira, 26 de setembro de 2012 | 12:55

  • Erev Purim e Jejum de Ester conhecido como "Ta'anit Ester" — 13 Adar
  • Purim (פורים‎) — 14 Adar
  • Shushan Purim — 15 Adar
  • Nos anos bissextos do calendário judaico, Purim é observado no Segundo mês de Adar (Adar Sheni).
Purim comemora os eventos descritos no Livro de Ester. Esta festa é celebrada pela leitura pública na sinagoga da história da Rainha Ester, durante a qual se fazem fortes ruídos cada vez que é mencionado o nome de Haman. Em Purim é tradição usar disfarces e máscaras e distribuir os Mishloach Manot (entrega de presentes de comida e bebida) aos pobres e necessitados. Em Israel também é tradição organizar marchas festivas, conhecidas como Ad-De'lo-Yada, nas ruas principais das cidades. Por vezes, as crianças mascaram-se e representam a história de Ester para os seus pais.


Purim é um dos mais alegres e festivos feriados na tradição Judaica, um feriado cujos preceitos religiosos incluem ficar alegre, e até mesmo ficar ébrio. Essa é uma festividade que permite até mesmo aos mais sérios estudiosos da Torá se deixarem levar pelo espírito de diversão, e aproveitar a atmosfera festiva.

A fonte desta festividade está no Livro Bíblico de Ester, que relata a salvação dos Judeus Persas de Haman, ministro-chefe do Rei Persa Achashverosh, que conspirava para matar todos os Judeus do Reino (a localização de tempo desta história é estimada entre a destruição do Primeiro Templo e a construção do Segundo Templo, no final do século VI AEC). A data em que Purim é observado é o 14º dia do mês Hebraico de Adar (normalmente Março), para equiparar com a data em que Haman determinou que todos os Judeus fossem mortos. As celebrações de Purim continuam através do dia seguinte, que é chamado de Shushan Purim.

Um dos únicos aspectos do Livro de Ester é que a história gira em torno do heroísmo de uma mulher – Ester, que era Judia. Foi ela quem salvou o povo Judeu e transformou o dia do decreto ruim em um feriado histórico.
De acordo com as leis Judaicas, Purim não é considerado um dia sagrado, e portanto não é um dia oficial de descanso. O comércio (com exceção dos bancos) está aberto normalmente, mas as escolas estão fechadas e a atmosfera da festividade é evidente nas ruas em todo o país.

Informação Importante

Nos dias que precedem Purim e o próprio dia da festa, Israel fica inundado de uma atmosfera alegre. As ruas ficam cheias de crianças fantasiadas, e as lojas vendem acessórios brilhantes e coloridos para a festividade, e há festas onde os adultos também se fantasiam. Um tradicional evento de longa data, da época dos assentamentos Judaicos restabelecidos em Israel, é o desfile de Purim através das ruas da cidade. Antigamente o desfile acontecia em Tel Aviv, mas hoje em dia existem desfiles em todo o país. O maior e mais impressionante deles é feito ao sul de Tel Aviv, em Holon, uma cidade que nos últimos anos desenvolveu a reputação de ser muito amigável com crianças.
 

Costumes da Festa

O Jejum de Ester – Um dia antes de Purim é um dia de jejum que comemora o jejum feito por Ester e todos os Judeus Persas antes da aproximação de Ester do Rei Achashverosh para suplicar por seu povo. Diferente dos jejuns do Dia da Expiação e de Tisha B’Av, mas similar a outros dias de jejuns menores, o jejum de Ester começa ao amanhecer do dia e termina no pôr-do-sol.
A Leitura do Livro de Ester – Na noite de Purim e na manhã da festividade, o Livro de Ester é lido em voz alta na sinagoga. Existe um princípio religioso que permite às mulheres ouvirem a leitura, e as crianças também são bem vindas. A leitura de Ester é um evento social muito alegre, pois a cada menção ao perverso Haman, que se tornou sinônimo de maldade com todos os outros que tentaram ir contra os Judeus, os congregados e especialmente as crianças tentam abafar o seu nome, sacudindo um tipo de reco-reco.
Refeição Festiva – Após o jejum faz-se uma refeição festiva, com jogos e outros divertimentos que vão até tarde da noite. É um preceito religioso ficar embriagado a tal ponto onde não se sabe a diferença entre o herói da história de Purim e o maldoso Haman.
 
Presentes com comidas diferentes – Como parte da alegria desta festa, os Judeus tem o hábito de preparar cestas com presentes e mandá-las a seus amigos e vizinhos, e também de dar dinheiro aos pobres.
 
Fantasias – Este costume de vestir máscaras e fantasias desenvolveu-se na Idade Média, aparentemente influenciado por carnavais locais. As crianças pequenas têm um especial interesse neste aspecto da festa e podem ser vistas nas ruas vestindo suas fantasias.
 
Orelhas de Haman – uma tradicional iguaria de Purim: massa triangular (semelhante a orelhas) recheadas com sementes de papoulas e muitos outros tipo de recheios doces.
Share this article :

0 comentários:

Acompanhe no Facebook

Postagens Recentes

Autoridade Espiritual

Autoridade espiritual não é algo imputada a alguém, é alguma coisa que se reconhece em alguém, que tem por causa da sua coerência de existência na palavra. Por causa da sua intrepidez na fé, na sua sinceridade no serviço a Deus e ao próximo. Sem isso não adiante ser PHD ou qualquer outro coisa.

Fale com o autor do blog

Original Bíblico para Pesquisas

A Restauração não começou em 1962

CURIOSIDADES SOBRE O VÉU

SAIBA COMO FOI

Nosso Ranking do Brasil

e-clipping sobre Daniel Alves Pena

MENSAGENS

Translate

Receba novos artigos por Email

Inscreva-se em meu Canal no You Tube

A DOUTRINA BÍBLICA DO USO DO VÉU

Pentecostal?

Quantidade de visitas até o momento

Visitantes lendo o Blog agora

Pesquisar neste blog

Código Penal - Decreto-lei 2848/40

Decreto-lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940
Ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato a ele relativo
Art. 208 - Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso: Pena - detenção, de um mês a um ano, ou multa.Parágrafo único - Se há emprego de violência, a pena é aumentada de um terço, sem prejuízo da correspondente à violência.

TOLERANDO A GENTE SE ENTENDE

Clique AQUI e saiba porque

ISSO NÃO SÃO LÍNGUAS ESTRANHAS

CONHEÇA A HISTÓRIA DA OBRA

Clique na imagem para ampliar

Ajuste de Conduta - Magno Malta

Anúncios AdSense

Pois muitos andam entre nós evangélicos

Intolerância Religiosa

LinkWithin

União de Blogueiros Evangélicos

 
Copyright © 2013. Daniel Alves Pena - All Rights Reserved
Template Adpted by Daniel Pweb Published by Daniel Pena
Ora, daqueles que pareciam ser alguma coisa, esses, nada me acrescentaram,antes, pelo contrário, (Gálatas 2.6)