Lag Ba'Omer - Daniel Alves Pena

Assista o novo vídeo de Daniel Alves Pena - [Fechar o vídeo]

Headlines News :
Home » » Lag Ba'Omer

Lag Ba'Omer

Postado por Daniel Pena em quarta-feira, 26 de setembro de 2012 | 13:03

Lag Ba'Omer (ל"ג בעומר, literalmente "33 do Omer") é o 33º dia da contagem do Omer. ל"ג é o número 33 em Hebreu. As restrições de luto em relação a actividades alegres existentes no período do Omer são levantadas em Lag Ba'Omer e há normalmente celebrações com churrascos, fogueiras e brincadeiras com arcos e flechas para as crianças. Em Israel, nos dias anteriores à festa, os jovens costumam reunir materiais para fazer grandes fogueiras ao ar livre.


Lag ba-Omer é no 33º dia da contagem de Omer, que começa na segunda noite de Pessach e termina em Shavuot. A contagem do Omer é um ritual que data da antiguidade, quando o Templo Sagrado era em Jerusalém (Veja Shavuot). Ao longo da história, sucedendo as tragédias que ocorreram com o Povo Judeu durante este período, e particularmente a morte de 24.000 alunos do Rabbi Akiva que foram atacados por uma peste (século II EC), esses dias tornaram-se dias de luto nacional, durante os quais se aplicam certas proibições como cortar o cabelo ou realizar casamentos. Em Lag ba-Omer esse costume de luto significa uma parada na rotina diária, já que a tradição relata que neste dia os alunos do Rabino Akiva pararam de morrer. Outro evento significativo que aconteceu na mesma data foi a morte do Rabino Shimon bar Yochai (Rashbi), que era um dos alunos do Rabino Akiva. Ainda assim a origem certa desta festa é desconhecida e existem muitas opiniões diferentes a respeito do mesmo fato.

Lag ba-Omer também está ligado com a história da Revolta de Bar Kochba, cujo líder espiritual era o Rabino Akiva e o líder militar era Shimon ben Kosiba ( Bar Kochba). No século II EC, algumas populações Judaicas se revoltaram contra o regime Romano. Embora no início a revolta tenha sido bem sucedida, foi brutalmente esmagada e causou grande destruição nas comunidades Judaicas em Israel. Este foi o último período de independência na Terra de Israel até a fundação do Estado de Israel em 1948. Existe uma suposição que Lag ba-Omer marca uma vitória temporária dos homens de Bar Kochba sobre os Romanos. As tradições desta festa desenvolveram-se basicamente durante o período moderno. O movimento sionista enfatizou a luta pela liberação nacional na revolta de Bar Kochba e transformou esta revolta em um símbolo da luta pela liberdade.

Lag ba–Omer não é um dia de descanso santificado, portanto o comércio fica aberto normalmente. À parte de algumas rezas especiais e alguns costumes observados por certos grupos étnicos, Lag ba–Omer não é diferente de qualquer outro dia do ano.
 

Costumes da Festa

Fogueira - Lag ba-Omer tornou-se a festa da fogueira, talvez em comemoração ao sinal de fogo que os rebeldes acendiam no topo das montanhas para trocar mensagens, e talvez em memória de Rashbi. Durante algumas semanas antes de Lag ba-Omer as crianças juntam pedaços de madeira que encontram, e na véspera dessa grande festa, fogueiras são acesas e batatas e cebolas (hoje em dia marshmellows também) são assados nas chamas. Entre os Judeus laicos, o acendimento da fogueira é o único costume que restou das tradições de Lag ba-Omer.
 
Arco e flecha – Na Diáspora, as crianças Judias costumavam ir para os campos em Lag ba-Omer e atiravam flechas, talvez em comemoração à revolta de Bar Kochba, talvez influenciadas pelos gentios das vizinhanças. Ainda podem-se achar crianças brincando de arco e flecha em Lag ba-Omer, mas este costume está desaparecendo pouco a pouco.
 
As comemorações em homenagem ao Rabino Shimon bar Yochai (Rashbi) - Este é um costume que se desenvolveu entre os cabalistas em Safed (Tsfat) no século XVI e tornou-se uma celebração do folclore popular. Em Lag ba-Omer milhares de pessoas adotaram o costume de fazer peregrinações até a tumba de Rashbi na Galiléia, acender fogueiras à noite e fazer piqueniques durante o dia seguinte. Muitos Judeus religiosos também trazem seus filhos de três anos de idade para cortarem o cabelo pela primeira vez.
Share this article :

0 comentários:

Acompanhe no Facebook

Postagens Recentes

Autoridade Espiritual

Autoridade espiritual não é algo imputada a alguém, é alguma coisa que se reconhece em alguém, que tem por causa da sua coerência de existência na palavra. Por causa da sua intrepidez na fé, na sua sinceridade no serviço a Deus e ao próximo. Sem isso não adiante ser PHD ou qualquer outro coisa.

Fale com o autor do blog

Original Bíblico para Pesquisas

A Restauração não começou em 1962

CURIOSIDADES SOBRE O VÉU

SAIBA COMO FOI

Nosso Ranking do Brasil

e-clipping sobre Daniel Alves Pena

MENSAGENS

Translate

Receba novos artigos por Email

Inscreva-se em meu Canal no You Tube

A DOUTRINA BÍBLICA DO USO DO VÉU

Pentecostal?

Quantidade de visitas até o momento

Visitantes lendo o Blog agora

Pesquisar neste blog

Código Penal - Decreto-lei 2848/40

Decreto-lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940
Ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato a ele relativo
Art. 208 - Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso: Pena - detenção, de um mês a um ano, ou multa.Parágrafo único - Se há emprego de violência, a pena é aumentada de um terço, sem prejuízo da correspondente à violência.

TOLERANDO A GENTE SE ENTENDE

Clique AQUI e saiba porque

ISSO NÃO SÃO LÍNGUAS ESTRANHAS

CONHEÇA A HISTÓRIA DA OBRA

Clique na imagem para ampliar

Ajuste de Conduta - Magno Malta

Anúncios AdSense

Pois muitos andam entre nós evangélicos

Intolerância Religiosa

LinkWithin

União de Blogueiros Evangélicos

 
Copyright © 2013. Daniel Alves Pena - All Rights Reserved
Template Adpted by Daniel Pweb Published by Daniel Pena
Ora, daqueles que pareciam ser alguma coisa, esses, nada me acrescentaram,antes, pelo contrário, (Gálatas 2.6)