As Testemunhas de Jeová Refutadas Versículo Por Versículo – Antigo Testamento - Daniel Alves Pena

Assista o novo vídeo de Daniel Alves Pena - [Fechar o vídeo]

Headlines News :
Home » , » As Testemunhas de Jeová Refutadas Versículo Por Versículo – Antigo Testamento

As Testemunhas de Jeová Refutadas Versículo Por Versículo – Antigo Testamento

Postado por Daniel Pena em domingo, 6 de fevereiro de 2011 | 20:28

Gênesis
Gênesis 1:1,2
No princípio criou Deus os céus e a terra. Ora, a terra mostrava ser sem forma e vazia; e havia escuridão sobre a superfície da água de profundeza; e a força ativa de Deus movia se por cima da superfície das águas. (Tradução do Novo Mundo, grifo acrescentado.)
As testemunhas de Jeová usam este versículo para atacar a fé cristã na questão da personalidade do Espírito Santo. A maioria das traduções do versículo 2 dizem que "o Espírito de Deus pairava sobre as águas". Mas a sociedade Torre de Vigia tem ensinado a seus seguidores que o Espírito Santo é meramente uma força impessoal a serviço de Deus. Para provar isto a seus ouvintes as testemunhas de Jeová citam este versículo segundo a Tradução do Novo Mundo. Esta é uma situação na qual uma testemunha de Jeová não precisa distorcer as Escrituras para encaixar as doutrinas que aprendeu. O versículo vem pré distorcido em sua própria Tradução do Novo Mundo. (Veja o capítulo 2.) Em outros textos, a tradução da Torre de Vigia fala do "espírito santo", escrito em minúsculas.
Para responder à alegação da testemunha de Jeová de que o Espírito Santo é uma mera  força  impessoal, enfatize  que a  Bíblia  repetidamente  se  refere  ao Espírito Santo como tendo atributos
pessoais. Por exemplo, mesmo a Tradução do Novo Mundo revela que o Espírito Santo fala (At. 13:2), dá testemunho (João 15:26), fala as coisas que ouve (João 16:13), sente se magoado (Is. 63:10) e assim por diante.
Para mais considerações sobre o Espírito, veja: João 16:13; Atos 5:3,4; Romanos 8:26,27; 1 Coríntios 6:19; e o Índice de Assuntos.
 Gênesis 9:4
 Carne, porém, com sua vida, isto é, com seu sangue, não comereis (Imprensa Bíblica Braseira).
 Este versículo é o primeiro de muitos versículos das Escrituras que as testemunhas de Jeová usam para advogar a proibição feita a transfusões de sangue. A organização ensina que a transfusão de sangue é o mesmo que comer sangue, porque assemelha se à alimentação intravenosa. De acordo com isso a sociedade Torre de Vigia proíbe transfusões de sangue para os seus seguidores. Uma testemunha de Jeová que aceite transfusão de sangue pode aguardar uma intimação para comparecer perante um Comitê Judicial para ser julgada, a portas fechadas, pela violação "da lei de Deus". A punição, se a pessoa for considerada culpada, é a "desassociação", por meio da qual o indivíduo é evitado pela própria família e amigos, que são proibidos até mesmo de cumprimentar o ofensor.
As testemunhas de Jeová são muito radicais neste assunto. Elas preferem morrer a aceitar uma transfusão para repor o sangue perdido em uma operação ou acidente. E fazem o mesmo com respeito a seus filhos menores. A maioria das testemunhas de Jeová carrega uma plaqueta em suas bolsas ou no pulso, afirmando a sua recusa em receber sangue e instruindo o pessoal médico de emergência a não administrar uma transfusão de sangue se a testemunha de Jeová estiver inconsciente. Esta plaqueta é um documento legal, assinado pela testemunha de Jeová que a carrega e por duas outras pessoas.
As testemunhas de Jeová reconhecem que a sua é a única religião que se posiciona contra a transfusão de sangue, embora não ocorra a elas que este fato é, em si mesmo, a demonstração que a sua doutrina não se baseia realmente na Bíblia. Ninguém mais, que tenta seguir a Bíblia como um guia para sua vida, proíbe a transfusão de sangue   e mesmo a sociedade Torre de Vigia não havia promulgado esta doutrina até 1944.
A maioria das testemunhas de Jeová ignora que a sua liderança, no passado, introduziu outras proibições médicas, mudando de idéia mais tarde. Em 1967, por exemplo, eles proibiram o transplante de órgãos. Os seguidores deveriam preferir a cegueira a aceitar um transplante de córnea, ou morrer a se submeter a um transplante de rim. Mas, depois, em 1980, os líderes reverteram este ensinamento permitindo os transplantes novamente (A Sentinela 15/11/67, p. 702 704; Despertai! 08/06/68, p. 21; e A Sentinela 15/03/80, p.31, edições norte americanas). Além disso, entre os anos 1931 e 1952 as testemunhas de Jeová recusaram aceitar a vacinação para si mesmas e para seus filhos porque a organização ensinava que: "A vacinação é uma violação direta da aliança eterna estabelecida por Deus..." (The Golden Age, 04/ 02/31, p.293).
Embora as testemunhas de Jeová tentem citar as Escrituras para apoiar a sua posição contra a transfusão de sangue, a razão real desta posição é a obediência cega à Sociedade Torre de Vigia. Se a organização suspender esta proibição amanhã, as testemunhas de Jeová aceitarão livremente as transfusões, da mesma forma que fizeram vista grossa quando foi liberada a vacinação em 1952 e permitido o transplante de órgão em 1980.
(Veja também os comentários sobre Levítico 7: 26,27 e Atos 12:28,29.)
 Gênesis 18:1,2
 Yahweh lhe apareceu . ...Tendo levantado os olhos, eis que viu três homens de pé... (A Bíblia de Jerusalém).
As testemunhas de Jeová acreditam que é impossível para o único Deus verdadeiro existir como três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. Mas a Bíblia, em Gênesis 18 e 19, mostra Deus aparecendo a Abraão como três homens. Esta narração pode ser usada para ajudar  as  testemunhas  de  Jeová a ver  que mesmo o impossível (do ponto de vista humano) é possível para Deus. Discuta isto com elas como sugerimos aqui:
Na Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas da So-ciedade Torre de Vigia, em Gênesis 18:1,2, Deus aparece a Abraão como três homens (os anjos). Abraão se dirige a eles como "Jeová" (v. 3). Quando os três homens respondem, o episódio é descrito alternativamente como "eles" falando (v. 9) e "Jeová" falando (v.13). Quando dois dos três homens se despedem para visitar Ló em Sodoma, Abraão continua a chamar aquele que permaneceu de "Jeová", mas Ló se dirige aos outros dois como "Jeová" (Gên. 18:22 28, 19:1 18).
Por si mesma, esta consideração não prova a doutrina da Trindade. Mas, pelo menos, demonstra que é possível para Deus se manifestar como três em um. O fato de que este conceito está além do alcance total do intelecto humano não deve fazer com que as testemunhas de Jeová o anulem. Como escreveu o apóstolo Paulo "... agora só podemos ver e compreender um pouquinho a respeito de Deus, como se estivéssemos observando seu reflexo num espelho muito ruim; mas o dia chegará quando o veremos integralmente, face a face. Tudo quanto sei agora é obscuro e confuso, mas depois verei tudo com clareza, tão claramente como Deus está vendo agora mesmo o interior do meu coração" (I Cor. 13:12, Novo Testamento Vivo).
A argumentação acima pode ajudar a testemunha de Jeová a reconsiderar o conceito de um único Deus em três pessoas. (Veja também Isaías 9:6; João 1:1, 16:13; 1 Coríntios 6:19, 8:6; Colossenses 2:9;e Apocalipse 1:7,8.)
 Gênesis 40:20 22
 Ao terceiro dia, o dia natalício de Faraó, que este deu um banquete a todos os seus servos. ...Mas ao padeiro mor enforcou...
A Sociedade Torre de Vigia proibiu a celebração de aniversários entre seus membros, usando Gênesis 40:20 22 como um ponto -chave de sua "base bíblica" para esta determinação. Sua  idéia  é  que  a palavra  aniversário aparece  na  Bíblia apenas em referência a Faraó do Egito (como mencionado acima) e ao rei Herodes da Galiléia (Mat. 14:6 e Mar. 6:21). Ambos eram pagãos e decretaram a morte de alguém em conexão com as celebrações. Já que nenhum homem de fé foi mencionado na Bíblia como tendo celebrado seu aniversário, mas apenas homens iníquos, as testemunhas de Jeová dos nossos dias não devem ter permissão para celebrar aniversários   esta é a argumentação usada pela Torre de Vigia.
Vale a pena notar que, como em outros ensinamentos, não se deixa que uma testemunha de Jeová leia individualmente a Bíblia e chegue a esta conclusão. Ao invés disso, a liderança da seita promulga esta interpretação oficial e usa procedimentos discipli-nares para impor essa política a todas as testemunhas de Jeová. Por exemplo, um ancião das testemunhas de Jeová de nosso relacionamento em Massachusetts, Estados Unidos, decidiu enviar um cartão de aniversário ao seu filho (que não era testemunha de Jeová), mas a sua esposa relatou o fato aos anciãos locais. Eles, então, o intimaram a comparecer perante um Comitê Judicial a portas fechadas e o submeteram a julgamento por sua ofensa. Este senhor, de 70 anos de idade, os desafiou a mostrarem lhe um versículo bíblico que proibisse o envio de cartões de aniversário. Mas o Comitê prosseguiu com o julgamento e o desassociou baseando se nas leis da Sociedade Torre de Vigia. Agora, os seus parentes que são testemunhas de Jeová se recusam a recebê-lo em suas casas e as testemunhas de Jeová que o encontram na rua se desviam dele, sem nem mesmo cumprimentá-lo.
Ao refutar a assim chamada base bíblica das Testemunhas de Jeová para proibir a celebração de aniversários, você pode destacar que Faraó e o rei Herodes eram juízes arbitrários e homens violentos; tais monarcas eram acostumados a executar as pessoas em qualquer ocasião e não apenas durante a celebração de seus aniversários. Além disso, uma pessoa que envia um cartão de aniversário, ou pais que fazem um bolo com velas para uma festa infantil dificilmente podem ser acusados de seguir o exemplo daqueles homens assassinos.
Embora  a  expressão aniversário natalício,  propriamente dita, apareça  apenas  em conexão com Faraó e Herodes na maioria das traduções, a Bíblia contém referência a tais celebrações em famílias devotas a Deus:
Em Jó 1:4, se diz do patriarca da família: "E seus filhos foram e realizaram um banquete na casa de cada um deles no seu próprio dia; e mandavam convidar as suas três irmãs para comerem e beberem com eles" (Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, grifo acrescentado). Este "seu próprio dia" refere se ao aniversário de cada um, o que se torna claro quando lemos mais adiante: "Foi depois disso que Jó abriu a boca e começou a invocar o mal sobre o seu dia. Jó respondeu então e disse: pereça o dia em que vim a nascer..." (Jó 3:1 3, Tradução do Novo Mundo, grifo acrescentado). A paráfrase feita pela Bíblia Viva de Jó 1:4,5, expressa esta idéia: "A cada ano, quando os filhos de Jó faziam aniversário, eles convidavam seus irmãos e irmãs para a celebração em suas casas. Nestas ocasiões, eles comiam e bebiam com grande alegria. Quando essas festas de aniversário terminaram..." (Tradução livre).
Até mesmo a tradução da Torre de Vigia revela que o nascimento de João Batista foi celebrado, quando registra sua anunciação feita por um anjo: "E terás alegria e grande regozijo, e muitos se alegrarão com o seu nascimento" (Luc. 1:14, Tradução do Novo Mundo).
Se o nascimento de João Batista foi uma ocasião de regozijo e se os filhos do fiel Jó celebravam seus aniversários, o fato de que Faraó e Herodes também celebraram seus aniversários não pode ser logicamente usado como base para proibir festas de aniversário entre aqueles que crêem na Bíblia hoje.

Êxodo
 Ëxodo 3:14
Respondeu Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.
 Os cristãos universalmente reconhecem que Jesus Cristo estava afirmando ser a Divindade quando ele refere se a si mesmo com EU SOU: "Disseram lhe, pois, os judeus: Ainda não  tens cinquenta anos, e viste Abraão? Respondeu lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou" (João 8:57,58). Mesmo os inimigos de Jesus compreendiam o que ele estava dizendo. O versículo seguinte nos diz que quando eles ouviram isto, "então pegaram em pedras para lhe atirarem..." (v. 59). Os judeus incrédulos viam esta declaração de Jesus (de ser o EU SOU) como uma blasfêmia, um crime pelo qual eles queriam apedrejá-lo até, a morte.
No entanto, as Testemunhas de Jeová ensinam que Jesus Cristo é, realmente, apenas o arcanjo Miguel e que Cristo nunca declarou ser Deus. Assim, para fazer com que as Escrituras estejam de acordo com sua doutrina, elas mudaram o texto de ambos os versículos em sua Bíblia. A Tradução da Torre de Vigia diz: "Isto é o que deve dizer aos filhos de Israel: MOSTRAREI SER enviou- me a vós" (Êx.3:14), Tradução do Novo Mundo, e "Digo vos em toda a verdade: Antes de Abraão vir à existência, eu tenho sido" (João 8:58, Tradução do Novo Mundo). Assim, na Bíblia das Testemunhas de Jeová, as palavras de Jesus aparecem sem nenhuma conexão com Êxodo 3:14.
Mas você não precisa ser um erudito em grego ou hebraico para provar que a Sociedade Torre de Vigia distorceu estes versículos. A própria Bíblia de estudo das Testemunhas de Jeová prova que Jesus estava declarando ser o EU SOU. Sua grande edição da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas com Referências, de 1984, tem uma nota de rodapé em Êxodo 3:14, admitindo que o hebraico seria traduzido em grego como "Ego eimi"   "EU SOU". E a sua Tradução Interlinear do Reino das Escrituras Gregas de 1985 (Kingdom Interlinear Translation of the Greek Scriptures) revela que as palavras de Jesus em João 8:58 são as mesmas: "égo eimi" (nota de rodapé), "eu sou" (texto inter-linear).
Êxodo 3:15
Deus disse então mais uma vez a Moisés: Isto é o que deves dizer aos filhos de lsrael: Jeová,o Deus de vossos antepassados, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó enviou me a vós. Este é o meu nome por tempo indefinido e este é o meu memorial por geração após geração (Tradução do Novo Mundo).
    As testemunhas de Jeová usam este versículo para argumentar que eles são os únicos adoradores verdadeiros de Deus, porque são os únicos que ainda chamam a Deus pelo seu nome   Jeová. O versículo acima, eles insistem, é o mandamento de Deus para chamá-lo pelo nome sagrado "por tempo indefinido", ou para sempre. Aos olhos das testemunhas de Jeová, os cristãos que oram a "Deus" ou ao "Senhor" estão na verdade orando a um falso deus, Satanás; o verdadeiro Deus, Jeová, não ouve as orações a menos que elas sejam dirigidas a ele pelo seu nome. Dessa forma, as testemunhas de Jeová sempre usam o nome Jeová em suas orações. De fato, elas freqüentemente repetem o nome Jeová muitas vezes durante a oração, como se Deus pudesse se esquecer de que ele é aquele a quem as orações estão sendo dirigidas, ou como se as testemunhas de Jeová pudessem se esquecer a que Deus estão orando.
Embora suas próprias publicações admitam que "Jeová" é um anglicismo e um erro de tradução e não a correta pronúncia do tetragrama hebraico YHWH, elas insistem em usar a pronúncia "Jeová", ao invés do nome que seria mais correto Yahweh. As testemunhas de Jeová nunca oram a "Yahweh".
A comparação de Êxodo 3:15 com o versículo 14 mostra que o nome Yahweh, ou Jeová, significa: Deus é auto existente e eterno. Ele é muito mais que um nome, e conhecê lo envolve muito mais do que usar este nome. Jesus mostrou que mais do que um simples nome está envolvido quando disse: "Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai--vos de mim, vós que praticais a iniqüidade (Mat. 7:22,23, [grifo acrescentado]).
Convide uma testemunha de Jeová a examinar com você as orações de Jesus Cristo. Enfatize que Jesus nunca começou suas orações dizendo "Deus Jeová" como fazem as testemunhas de Jeová. Antes, Jesus começava suas orações dizendo, "Pai..." (Ver Mat. 11:25, 26:39 42; Mar. 14:36; Luc. 10:21, 22:42, 23:34 46; João 11:41, 12:27,28, 17:1 26.) E quando ensinava seus discípulos a orar, Jesus os instruiu a orar dizendo: "Pai nosso..." (Mat. 6:9; Luc. 11:2). Os cristãos, então, devem ter um relacionamento íntimo com Deus na qualidade de seus filhos que clamam a ele "Aba, Pai!" (Rom. 8:15; Gál. 4:6).
A respeito da importância de nomes, o Espírito Santo instruiu Pedro a enfatizar "...em nome de Jesus... porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, em que devamos ser salvos" (At. 4:10 12). Além disso, Jesus é "...o nome que é sobre todo nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai" (Fil. 2:9 11).
(Veja também as considerações sobre o Salmo 83:18 e Isaías 43:10 neste capítulo.)
 Levítico 7:26,27
 E não deveis comer nenhum sangue em qualquer dos lugares em que morardes, quer seja de ave, quer de animal. Toda alma que comer qualquer sangue, esta alma terá de ser decepada do seu povo (Tradução do Novo Mundo).
 Este texto é freqüentemente citado para apoiar a proibição da Sociedade Torre de Vigia a transfusões de sangue. Embora o versículo proíba especificamente os israelitas de comer sangue de ave ou de animal, as Testemunhas de Jeová ampliam o seu significado para incluir a ministração médica de sangue humano para salvar a vida   um sentido, obviamente, não imaginado por Moisés quando registrou as palavras de Deus. Levítico discorre por muito tempo sobre as ordenanças divinas quanto ao sacrifício de animais pelos sacerdotes judeus, e o sangue era parte importante nestes sacrificios como um prenúncio do precioso sangue do nosso Salvador, o Cordeiro de Deus, Jesus Cristo. Qualquer tentativa de ler estes versos como uma legislação profética sobre os prós e contras dos procedimentos médicos modernos ignora totalmente o contexto da passagem.
Quando discutir Levítico 7:26,27 com uma testemunha de Jeová, você pode abordar o fato de que os judeus ortodoxos de hoje, que ainda observam com muito escrúpulo as regras sobre a preparação de alimentos de acordo com as leis judaicas e sobre carne com sangue e como matar os animais que servirão de alimento, não têm nenhuma objeção à transfusão de sangue. Portanto, o texto hebraico original não dá o menor indício da interpretação que a Torre de Vigia lhe atribui.
Se a testemunha de Jeová ainda insistir que deve recusar a trans-fusão de sangue com base em Levítico 7:26,27, o próximo passo seria mostrar lhe Levítico 3:17 que diz "... não deveis comer nenhuma gordura nem sangue algum " (Tradução do Novo Mundo). Peça à testemunha de Jeová para lhe explicar por que os líderes da Torre de Vigia ordenam que ela recuse transfusão de sangue, mas permitem que coma gordura. Não estariam simplesmente tirando as palavras do contexto das leis sobre a dieta dos judeus? (Veja também as considerações sobre Gênesis 9:4 e Atos 15:28, 29.)
 Deuteronômio 18:20 22
 No entanto, o profeta que presumir de falar em meu nome alguma palavra que não lhe mandei falar ou que falar em nome de outros deuses, tal profeta terá de morrer. E caso digas no teu coração: 'Como saberemos qual a palavra que Jeová não falou?' quando o profeta falarem nome de Jeová e a palavra não suceder nem se cumprir, esta é a palavra que Jeová não falou. O profeta proferiu a presunçosamente. Não deves ficar amedrontado por causa dele (Tradução do Novo Mundo).
 A Sociedade Torre de Vigia se auto identifica como "O Profeta", dizendo: "Este ‘profeta’ não era um homem, mas um grupo de homens e mulheres. Era o pequeno grupo de seguidores dos passos de Jesus Cristo, conhecidos naquele tempo como Estudantes Internacionais da Bíblia. Hoje são conhecidos como Testemunhas de Jeová. Eles ainda estão proclamando um aviso..." (A Sentinela 01/04/72, p. 197, edição norte americana). E acrescentam: "A menos que nós estejamos em contato com este canal de comunicação que Deus está usando, não vamos progredir através da estrada para a vida, não importa o quanto leiamos a Bíblia" (A Sentinela 01/12/81, p.27, edição norte americana).
Estas declarações pretensiosas são verdadeiras? A Sociedade Torre de Vigia é realmente o Profeta, o canal de comunicação de Deus? Ou é um falso profeta, que se encaixa na descrição de Deuteronômio 18:20 22? O teste é simples: 1° passo   sabemos que a organização "falou em nome de Jeová"; 2° passo   precisamos determinar se as profecias realmente ocorreram ou se cumpriram. Vamos examinar os fatos:
Durante a metade de seus cem anos de história, a Sociedade Torre de Vigia ensinou a convicção de seu fundador e primeiro- presidente, Charles Taze Russell, de que a Grande Pirâmide do Egito foi "inspirada" por Deus   tal como a Bíblia (consulte o livro da Torre de Vigia Thy Kingdom Come [Venha o Teu Reino], edição 1903, p. 362). As publicações da Sociedade traduziram polegadas das medidas das pirâmides em anos de calendário, numa tentativa de prever acontecimentos futuros. Dessa forma, predisseram que a Batalha do Armagedom "vai terminar no ano 1914 com a completa destruição do atual governo da terra" (The Time Is at Hand [É Chegada a Hora], edição 1904, p. 101). Obviamente, isto não aconteceu ou se cumpriu.
Ainda determinada a agir como profeta, a Sociedade Torre de Vigia prosseguiu predizendo uma ressurreição terrena no ano de 1925: "Eles serão ressuscitados como homens perfeitos e constituirão os príncipes e governadores da terra segundo a sua promessa... Assim nós podemos confiantemente esperar que 1925 vai marcar o retorno de Abraão, Isaque e Jacó e os fiéis profetas do passado" (Livro da Torre de Vigia Millions Now Living Will Never Die [Mi-Ihões que Agora Vivem Jamais Morrerão], edição 1920, p. 89 90). Isso aconteceu ou se cumpriu? Não! Mais recentemente a organização levou milhões a acreditarem que "o fim" chegaria em 1975. Ela perguntava: "Por Que Espera Ansioso 1975? ["Why Are You Looking Forward to 1975?"] (título do artigo publicado por A Sentinela, 15/08/68,p.494):
 Devemos presumir com base neste estudo que a batalha do Armagedom terminaria completamente no outono de 1975, e o tão esperado reinado milenar de Cristo começaria então? Possivelmente, mas nós esperamos  para  ver o quanto  o sétimo período  de mil  anos da  existência  do homem  coincide  com  o milênio, que será como um sábado. Se estes dois períodos ocorrerem paralelamente um ao outro quanto ao calendário, não será por mera chance ou acidente, mas segundo os propósitos amorosos e cronológicos de Jeová... Pode ser que ocorra alguma diferença de semanas ou meses, mas não de anos (p. 499).
Certamente agora, semanas, meses e anos suficientes já se passaram para provar que esta profecia a respeito do ano de 1975 não aconteceu ou se confirmou.
As testemunhas de Jeová podem tentar defender a Sociedade Torre de Vigia dizendo que essas profecias eram todas "erros" e que a organização aprendeu com esses erros e não faz mais declarações proféticas sobre quando o fim do mundo vai chegar. Neste caso, peça à testemunha de Jeová que tome nas mãos uma cópia de sua revista Despertai! mais recente. Na parte interior da capa, onde o índice de assuntos é listado, há uma declaração de propósito explicando porque Despertai! É publicada. Peça à testemunha de Jeová para que leia isso. Na data da publicação deste livro (1986), cada edição dizia que: "Mais importante, esta revista edifica a fé na promessa do Criador de uma Nova Ordem pacífica e serena antes que a geração que viu os eventos de 1914 pereça". (Tradução livre.) Outra profecia! (Veja nossas considerações sobre Mat. 24:34 no próximo capítulo).
Os fatos são irrefutáveis: A Sociedade Torre de Vigia falou como um profeta, em nome de Deus, e o que foi profetizado não se cumpriu. O que isso significa para uma testemunha de Jeová individualmente? Convide uma delas a ler o que a Palavra de Deus fala sobre os falsos profetas   e então pergunte o que Deus quer que ele ou ela faça. A Bíblia contém estas advertências feitas por Jesus Cristo: "Guardai vos dos falsos profetas, que vêm a vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores". "Porque hão de surgir falsos cristos e falsos profetas..." (Mat. 7:15, 24:24). E as severas palavras citadas de Deuteronômio 18:20 22, além de expressar o juízo de Deus de que o falso profeta "deve morrer" também diz aos ouvintes "não temerás". Ao invés de permanecer fielmente obediente aos líderes da Torre de Vigia, a testemunha de Jeová que reconhece a organização como um falso profeta deveria deixar de segui-la e começar a seguir o verdadeiro Profeta, Jesus Cristo.

Salmos
Salmo 37:9,11,29
Pois os próprios malfeitores serão decepados, mas os que esperam em Jeová são os que possuirão a terra. ...Mas os próprios mansos possuirão a terra... Os próprios justos possuirão a terra (Tradução do Novo Mundo).

 Comumente as testemunhas de Jeová usam estes versículos em sua pregação de porta em porta para apresentar aos ouvintes a esperança de uma vida no paraíso terrestre, ao invés de ir para o céu.
De acordo com a Sociedade Torre de Vigia, a oportunidade de ir para o céu terminou no ano de 1935. Ao invés de ir para os céus, as testemunhas de Jeová esperam sobreviver à destruição do resto da humanidade no Armagedom e viver para sempre na terra.
No entanto, quando os versículos citados são lidos dentro do seu próprio contexto, o Salmo 37 apresenta um quadro diferente. O salmo não está predizendo um tempo futuro quando Deus removerá o iníquo e passará o controle da terra para as pessoas boas. O salmista foi, antes, inspirado a contar a seus semelhantes israelitas o que eles poderiam esperar ver durante o seu tempo de vida na terra   os homens prosperariam sob a bênção de Deus, enquanto o iníquo pagaria um alto preço. Por exemplo, no versículo 25, Davi escreve "Eu fui moço, também fiquei velho, e, no entanto, não vi nenhum justo completamente abandonado, nem a sua descendência procurando pão" (Tradução do Novo Mundo). Ele está falando aqui de eventos que aconteceram durante a sua vida. E no versículo 37, acrescenta: "Vigia o inculpe e mantém a vista no reto, porque o futuro (deste) homem será pacífico" (Tradução do Novo Mundo). Mais uma vez o contexto diz respeito aos benefícios imediatos da boa conduta. O salmo não contém nenhuma indicação de que ele deveria ser tomado como uma declaração profética sobre o fim do mundo.
Outros versículos usados pelas testemunhas de Jeová para ensinar sobre uma esperança terrena,  em oposição à  esperança do céu, incluem o Salmo 115:16; João 10:16; e Apocalipse 7:9. (Veja as considerações em outras partes deste livro.)
 Salmo 83:18
 Para que saibam que só tu, cujo nome é o Senhor, és o Altíssimo sobre toda a terra (Imprensa Bíblica Braseira).
 Este é um dos poucos versículos que as testemunhas de Jeová gostam de citar de outras Bíblias que não a sua própria Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas. Em particular elas gostam de citar o Salmo 83:18 da tradução mais tradicional,  porque o nome de JEOVÁ aparece em letras maiúsculas.
Muitas testemunhas de Jeová têm anotado no final de suas Bíblias a lista dos quatro lugares onde a palavra JEOVÁ pode ser encontrada nas Bíblias de tradução mais tradicional como as da Imprensa Bíblica Brasileira, por exemplo. São eles: Êxodo 6:3; Salmo 83:18; Isaías 12:2, 26:4. E m sua pregação elas perguntarão de forma insuspeita aos donos da casa: "Você tem uma Bíblia à mão?" Então, dirigirão sua atenção a um destes versículos. Apanhados desprevenidos e achando a palavra JEOVÁ escrita em sua própria Bíblia, onde as testemunhas de Jeová disseram que estaria, algumas pessoas se impressionam com o conhecimento que elas têm da Bíblia e permitem que entrem em suas casas e lhes ensinem mais.
É claro que o uso que as Testemunhas de Jeová fazem da Bíblia   para demonstrar o seu conhecimento superior e sua pretensão de "conhecer a Deus pelo seu nome"   é apenas um truque esperto. Existem muitos outros grupos religiosos ou místicos que usam transliterações de nomes hebraicos de Deus com efeitos similares naqueles que ainda não conhecem sua doutrina. Mas o fato importante aqui é que usar um certo nome para Deus não garante que as pessoas que usam este nome conhecem a Deus e são aprovadas por ele.
Por exemplo, quando a pecadora Eva deu à luz o seu primeiro filho depois de ter sido expulsa do Jardim do Éden exclamou: "Adquiri um homem com o auxílio de Jeová" (Tradução do Novo Mundo). O uso que ela fez do nome de Deus não prova, de maneira alguma, que ela tinha sua aprovação.
Para demonstrar às testemunhas de Jeová que o uso que elas fazem do nome Jeová não garante que pertençam a ele, você pode citar as palavras de Jesus em Mateus 7: 22,23: "Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome ? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres ? Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai vos de mim, vós que praticais a iniqüidade."
(Veja também as considerações sobre Êxodo 3:15 e Isaías 43:10).
 Salmo 110:1
 Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés.
 As testemunhas de Jeová que chamam à porta podem convidar o dono da casa a pegar a sua Bíblia e abri-la no Salmo 110:1. Então elas podem pedir a ele que leia o versículo. O dono da casa lê que: "Disse o Senhor ao meu Senhor..." e fica confuso imediatamente. Então a testemunha de Jeová abre a sua Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas e lê o mesmo versículo "A pronunciação de Jeová meu Senhor é...". Neste ponto, elas argumentam que (1) A Tradução do Novo Mundo é uma Bíblia superior à que ele usa porque nela não consta o Senhor falando consigo mesmo; e (2) que o Senhor Jesus Cristo é apenas um ser criado, uma vez que Deus Jeová se dirige a uma pessoa distinta de si mesmo.
 Para responder ao primeiro argumento é necessário olhar apenas o mesmo texto mais atentamente. O texto não diz que "o Senhor" estava falando com "o Senhor". A maioria das versões traduzem o tetragrama hebraico YHWH como "o  SENHOR" (escrito em maiúsculas) que está conversando com o "Senhor" do salmista (em maiúscula e minúscula), o Messias. Se alguma confusão surgir, o problema não é mais com a versão, mas com uma falta de instrução bíblica por parte do leitor. Cristãos bem informados que lêem estes versículos compreendem que Deus, o Pai, está falando com o Filho.
 O segundo argumento das testemunhas de Jeová   que Jesus não pode ser Deus porque "O Senhor falou com ele"   é também falso. O Novo Testamento registra muitas conversas entre Jesus e o  Pai, mas isto não desabona a divindade de Cristo. A Bíblia revela que o Pai é Deus (João 6:27, etc.) e que o Filho é Deus (Is. 9:6; João 20:28, etc.), e ainda que existe apenas um Deus (I Cor. 8:4). Embora isto pareça contradizer toda lógica humana, estaríamos certos em presumir que Deus precisa se encaixar nos padrões lógicos com os quais estamos familiarizados no mundo a nossa volta? Ele pertence a instâncias superiores; nós a instâncias inferiores. Os seus caminhos estão além de nossa completa compreensão.
Ao explicar às testemunhas de Jeová o fato de que o Salmo 110 apresenta Deus, o Pai no céu, conversando com o Filho (também no céu) sobre a terra, talvez possa ajudar você a convidá-lo a dirigir-se a Gênesis 18 e 19 em sua própria Tradução do Novo Mundo onde lemos: "Jeová apareceu lhe" (Abraão) como "três homens" ou anjos (18:1 2). Abraão se dirigiu aos três como "Jeová" (18:3). Dois deles deixaram Abraão e se dirigiram à cidade de Sodoma, mas Abraão continuou a se dirigir ao homem que permaneceu como "Jeová" (18:22). E quando a cidade de Sodoma foi destruída, segundo a Tradução do Novo Mundo em Gênesis 19:24: "Jeová então fez chover enxofre e fogo sobre Sodoma e Gomorra da parte de Jeová, desde os céus..." Assim, a menos que as testemunhas de Jeová desejem argumentar que existe mais que um Jeová, elas terão que admitir que Deus pode estar em mais de um lugar ao mesmo tempo, e que ele pode manter conversas simultâneas com pessoas diferentes em lugares diferentes. Talvez isso contribua para tornar lhes mais fácil a compreensão de que o Pai pode conversar com o Filho, sem que isto questione a divindade de Cristo.
 Salmo 115. 16
 Os céus são os céus do Senhor, mas a terra, deu a ele aos filhos dos homens.
 As testemunhas de Jeová citam, com freqüência, este versículo para "provar" que o destino do homem é a vida na terra, e não no céu. A Sociedade Torre de Vigia ensina que apenas um número limitado de 144 mil são aptos para a vida celestial e que este número foi completado em 1935. Desde então, a seita tem ensinado que os novos convertidos devem esperar a vida eterna  na  terra restaurada às condições de paraíso. (Veja os comentários sobre Apoc. 7:9, para considerações sobre o ano de 1935.)
Esta é uma das muitas áreas nas quais a Sociedade Torre de Vigia se dirige principalmente ao Antigo Testamento e leva seus membros a uma forma distorcida de judaísmo, negando os aspectos fundamentais da Nova Aliança mediada por Jesus Cristo. (Outros exemplos de judaísmo incluem a ênfase no nome hebraico de Jeová; a negação da divindade de Cristo; a inculcação da salvação por meio de obras; legalismo estrito; e assim por diante.) A melhor maneira de se responder a uma testemunha de Jeová sobre esses pontos é levá-la ao Novo Testamento e mostrar a ela a "chamada celestial" (Heb. 3:1) dada pelo Salvador a todos aqueles que o seguissem.
 Por exemplo, Jesus nos diz: "Na casa de meu pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito; vou preparar vos lugar. E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejas vós também" (João 14: 2,3). Quando Jesus orou ao Pai "...que onde eu estou, estejam comigo também aqueles que me tens dado, para verem a minha glória..." ele estava orando não apenas por seus discípulos originais, "...mas também por aqueles que pela sua palavra hão de crer em mim" (João 17:20,24). Pergunte às testemunhas de Jeová se vieram a crer em Jesus através das palavras dos apóstolos. Se elas, sinceramente, puderem dizer "sim", então estarão incluídas na oração de Jesus para que todos aqueles que viessem a crer nele terminassem com ele no céu.
(Veja também as considerações sobre Salmo 37:9,11,29; João 10:16; Apocalipse 7:9.)
 Salmo 146:3,4
 Não confieis em príncipes, nem em filho de homem, em quem não há auxílio. Sai lhe o espírito, e ele volta para a terra; naquele mesmo dia perecem os seus pensamentos.
 Em algumas versões, o versículo 4 termina com a expressão "naquele mesmo dia perecem os seus pensamentos". De forma semelhante a Tradução do Novo Mundo diz: "...neste dia perecem deveras seus pensamentos".  As  testemunhas  de  Jeová  lêem esta passagem de uma destas traduções e usam-na para argumentar que não há existência consciente depois da morte   os "pensamentos" perecem, elas afirmam.
 No entanto, será que esta é a mensagem que o autor do salmo quis nos transmitir? Foram estes versos escritos para instruir os leitores sobre a condição dos mortos? Ou será que as testemunhas- de Jeová extraem destas palavras uma idéia que ultrapassa o que o escritor (e divino Autor) tinham em mente?
 A lição do Salmo 146 é que nós devemos colocar nossa confiança em Deus e não nos líderes humanos. Peça à testemunha de Jeová que leia os outros versículos com você para que juntos possam estabelecer o contexto real. Deus deve ser louvado (v. 1,2). Em contraste ao homem, Deus é um ajudador que dá esperança segura (v. 5), que criou o céu e a terra (v. 6), que traz justiça para o oprimido (v.7), que cura o doente (v.8), que ampara os oprimidos (v. 10). Por outro lado, o homem não oferece salvação real (v. 3), porque ele próprio morre e tudo quanto intentou fazer morre com ele (v. 4).
 Um exemplo real da lição do Salmo 146 é encontrada na morte do presidente americano John F. Kennedy. Ele era um "príncipe" em quem muitos confiavam para ajudá-los a melhorar suas vidas. Mas quando ele morreu, "todos os seus pensamentos deveras pereceram "   com sua partida, os seus planos e seus pensamentos logo entraram em colapso. Aqueles que colocaram nele toda a sua confiança logo se decepcionaram. Sua confiança deveria estar primeiramente em Deus, que oferece esperança real, justiça, cura e salvação   e que permanece Rei para sempre.
 Quando todo o Salmo 146 for lido em seu contexto, se torna óbvio que o versículo 4 não nega a vida consciente depois da morte. As testemunhas de Jeová distorcem este versículo ao tirá-lo de seu contexto.
 (Para maiores considerações sobre a condição dos mortos, veja Eclesiastes 9:5; Ezequiel 118:4; e Lucas 16:22 28.)
 Eclesiastes 9:5
 Pois os vivos sabem que morrerão, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco têm eles daí em diante recompensa; porque a memória ficou entregue ao esquecimento.
 Este versículo é freqüentemente usado pelas testemunhas de Jeová para argumentar que a morte traz aniquilação total da existência. Para apoiar essa idéia de forma ainda mais conclusiva, a Tradução da Torre de Vigia diz: "Pois os viventes estão cônscios de que morrerão, os mortos porém não estão cônscios de absolutamente nada..." Se este versículo for simplesmente tirado de seu contexto e citado como prova, tem se a impressão de que as testemunhas de Jeová estão certas. Mas tirar esta passagem de seu contexto pode ser muito perigoso.
Uma ilustração perfeita é o caso de certo cirurgião de transplantes que, falando a repórteres sobre um procedimento cirúrgico que estava advogando, citou as Escrituras: "Pele por pele! Tudo quanto o homem tem dará pela sua vida". Quando eu li a narrativa no jornal, fiquei perturbado pelo uso que fazia do versículo, e, conferindo, descobri que as minhas suspeitas estavam corretas   ele citava o demônio! No contexto, o versículo diz: "Então Satanás respondeu ao Senhor: Pele por pele! Tudo quanto o homem tem dará pela sua vida" (Jó 2:4).
Além de apresentar o ponto de vista de Deus, a Bíblia também relata muitas coisas ditas e feitas por outras pessoas, algumas boas e outras não tão boas. Ela apresenta os pontos de vista humanos e até mesmo os pontos de vista do demônio, como mencionado acima.
Se estudarmos atentamente Cantares de Salomão, encontrado na maior parte das Bíblias logo depois de Eclesiastes, vamos descobrir que este livro é na verdade uma conversa que envolve, pelo menos, três diferentes pessoas, embora elas não estejam claramente identificadas no texto. Seria possível dizer coisa semelhante sobre Eclesiastes?
Os eruditos reconhecem que este é um livro muito difícil de ser entendido. Mas, aparentemente, o escritor inspirado de Eclesiastes está apresentando um contraste entre pontos de vista: o secular, o ponto de vista materialista, versus o celestial e espiritual. O livro se desenvolve como um debate em andamento que acontece na mente do escritor. O ponto de vista divino triunfa no final, com  a  admoestação de Eclesiastes 12: "Lembra-te também do teu Criador nos dias da tua mocidade... Tudo já foi ouvido: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é todo o dever do homem" (Ecl.12:1,13).
Mas e as partes que antecedem este capítulo? Os primeiros versículos de Eclesiastes 9 parecem refletir o lado secular da batalha. Não apenas o escritor diz no versículo 5 que os mortos não sabem nada, mas também acrescenta "para sempre em coisa alguma do que se faz debaixo do sol" (v. 6). (Pergunte à testemunha de Jeová se ela acredita que os mortos se foram para sempre. Ela irá responder não, porque acredita em uma futura ressurreição para esta terra debaixo do sol.). O versículo 2 expressa o seguinte pensamento: "Tudo sucede igualmente a todos: o mesmo sucede ao justo e ao ímpio, ao bom e ao mau, ao puro e ao impuro...", uma idéia contraditória ao resto das Escrituras. (Pergunte à testemunha de Jeová se ela acredita que irá receber o mesmo destino, se for justa ou ímpia. Sua resposta terá que ser não.)
Nós podemos concluir que o versículo 5 está localizado no meio de uma seção que expressa o ponto de vista secular, descrente – não o ponto de vista de Deus.
Qual é o ponto de vista de Deus? Obviamente, Deus sabe se os mortos são ou não cônscios. E ele colocou nas Escrituras um número de referências indicando a resposta. Leia estes versículos com a testemunha de Jeová, perguntando a ela o que cada um deles revela sobre a condição dos mortos:
 E quando abriu o quinto selo, vi por baixo do altar as almas dos que tinham sido mortos por causa da palavra de Deus e por causa da obra de testemunho que costumavam ter. E gritaram com voz alta dizendo: Até quando, Soberano Senhor, santo e verdadeiro, abster se á de julgar e vingar o nosso sangue dos que moram na terra? E a cada um deles foi dada uma comprida veste branca; e foi lhes dito que descansassem mais um pouco, até que completasse o número dos seus co escravos e dos seus irmãos, que estavam para ser mortos assim como eles também tinham dito (Rev. 6:9 11 [Apocalipse] Tradução do Novo Mundo).
Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor; todavia, por causa de vós, julgo mais necessário permanecer na carne (Fil. 1:23,24). Jesus disse: Veio a morrer o mendigo, e foi levado pelos anjos para o seio, de Abraão; morreu também o rico, e foi sepultado. No hades, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe a Abraão, e a Lázaro no seu seio (Luc. 16:22,23).
(Veja também as considerações sobre Salmo 37:9,11,29, 146:3,4; Ezequiel18:4;e Lucas 16:22 28.)
Isaías
Isaías 9:6
Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o governo estará sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte Pai Eterno, Príncipe da Paz (Imprensa Bíblica Brasileira).
As testemunhas de Jeová não questionam que este versículo fale profeticamente de Jesus Cristo, identificando o como "Deus Poderoso" (Tradução do Novo Mundo). Mas elas acreditam que o    Filho é meramente "um deus"   um dos "muitos deuses e muitos senhores" (1 Cor. 8:5, Tradução do Novo Mundo)   assim como Satanás, o demônio, é chamado de "o deus deste sistema de coisas" (II Cor. 4:4, Tradução do Novo Mundo). Elas vêem Jesus Cristo como um ser criado, um anjo. Segundo a teologia da Torre de Vigia, ele, definitivamente, não é o Poderoso Deus Jeová.
''  As Testemunhas de Jeová na realidade têm dois deuses, um "Todo Poderoso Deus", Jeová   e um "poderoso deus", Jesus Cristo. Na prática, no entanto, Jeová recebe toda adoração, e Jesus é apenas chamado de "um deus", por concessão.
Você pode começar perguntando à testemunha de Jeová se ela acredita que há apenas um Deus verdadeiro. Ela irá responder "sim". Pergunte lhe quem é ele, e lhe irá responder "Jeová". Então peça lhe que leia Isaías 9:6, e pergunte quem é o Deus Poderoso mencionado ali   "o menino que nos nasceu... um filho que se nos deu" (Tradução do Novo Mundo). Ela irá admitir que Jesus é o Deus Poderoso. Então pergunte lhe se Jesus é o Deus verdadeiro. Ela responderá: "não!"   que Jesus é meramente "um deus". Neste momento, pondere com a testemunha que sua teologia leva  a uma  de duas conclusões:  (1)  não sendo  o Deus verdadeiro,  Jesus teria que ser um falso deus, ou (2) as testemunhas de Jeová tem dois Deuses verdadeiros.
Agora volte se para a Bíblia para mostrar às testemunhas de Jeová que o Deus Poderoso e o Deus Todo Poderoso são o mesmo. Primeiro, mostre que o Cristo ressurreto não é apenas poderoso, mas é Todo Poderoso; segundo, mostre que Jeová, o Deus Todo -Poderoso, é também chamado de Deus Poderoso.
Primeiro: Peça à testemunha que leia em Hebreus 1:3 que Jesus Cristo está "sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder". Como poderia alguém ser mais todo poderoso? Então volte se para Mateus 28:18 e mostre que Jesus Cristo "tem toda autoridade" (Tradução do Novo Mundo) ou "todo poder... no céu e na terra". Por definição, isto é o que a expressão todo poderoso significa. Desta maneira, Jesus é todo poderoso.
Segundo: Pergunte à testemunha: "já que Isaías era um judeu e por isso acreditava em um único Deus   Jeová   quem Isaías acreditava ser o Deus Todo Poderoso?" Certamente, Isaías entendia que o Deus Todo Poderoso era Jeová. Em seguida, convide a testemunha a ler Isaías 10:20, 21 em sua própria Tradução do Novo Mundo: "...os restantes de Israel... certamente se apoiarão em Jeová, o Santo de Israel, em veracidade. Um mero restante retornará, o restante de Jacó, ao Deus Poderoso". Sim, a palavra inspirada escrita através de Isaías chama Jeová de "o Deus Poderoso".
Finalmente, para reforçar este ponto, peça à testemunha que abra sua Bíblia em sua própria Tradução do Novo Mundo. Mas antes que ela leia, lembre lhe que a Torre de Vigia ensina que o Deus Poderoso e o Deus Todo Poderoso são diferentes   Jesus sendo o Deus Poderoso e Jeová o Todo Poderoso. Então peça lhe que leia o que Jeremias escreveu sobre "o verdadeiro Deus, o Grande, o Poderoso, cujo nome é Jeová dos exércitos..." (Jer. 32:18, Tradução do Novo Mundo). Então, uma vez que Jesus é o Deus Poderoso, e Jeová é o Deus Poderoso, quem é Jesus? (Deixe as testemunhas de Jeová chegarem à inescapável conclusão em suas próprias mentes que Jesus é Jeová).
(Veja também as nossas considerações sobre João 1:1, 20:28 e Apocalipse 1:7,8.)
Isaías 43:10
Vós sois minhas testemunhas, é a pronunciação de Jeová... (Tradução do Novo Mundo).
 As Testemunhas de Jeová acreditam que apenas elas, entre todos os grupos religiosos da terra, são o povo de Deus e chamadas de suas testemunhas. Elas adoram erguer o seu dedo acusando luteranos, menonitas e outras denominações de seguidores dos homens segundo os quais foram denominadas   Lutero, Menno, e assim por diante   enquanto apenas as Testemunhas de Jeová são seguidoras do Deus Jeová.
Realmente, no entanto, as Testemunhas de Jeová eram ampla-mente conhecidas como "russelitas" (segundo o nome de seu fundador, Charles Taze Russell), desde o início do movimento na década de 1870, até o ano de 1931. O nome, testemunhas de Jeová, foi oficialmente adotado através de uma resolução outorgada em sua convenção de 1931 na cidade de Columbus, no Estado norte americano de Ohio   primeiramente para distingui-los de outros grupos que também seguiam Russell.
Mas a idéia simplista de que Deus isola as testemunhas de Jeová entre todos os cristãos professos, e considera somente a elas seu povo porque usam o nome de testemunhas de Jeová, é tão absurda quanto dizer que qualquer grupo que se nomeie "Igreja de Cristo" ou a "Igreja de Deus" tem necessariamente que ser o que este nome quer dizer, excluindo todos os outros.
Jesus demonstra que mais que um nome está envolvido quando disse:
 Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor! não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai vos de mim, vós que praticais a iniqüidade. (Mat. 7:21 23, grifos acrescentados).
Procurando se identificar com o antigo nome hebraico de Deus, ao invés do nome de Jesus Cristo, as testemunhas de Jeová estão inconscientemente revelando-se modernos judaizantes. Jesus disse:"...ser-me-eis testemunhas" (At. 1:8). E a história registra que "os discípulos pela primeira vez foram chamados cristãos" (At. 11:26).

Ezequiel
Ezequiel 18:4
 Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá.
 "Assim", diz a testemunha de Jeová", a alma morre. Este versículo prova que não há vida consciente depois da morte". Prova mesmo? Absolutamente não! Primeiro, olhe o contexto. Sobre o que o escritor está falando? Os israelitas estavam murmurando contra Deus, citando o provérbio que dizia: "Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram" (v.2)   eles estavam argumentando que a punição pelo erro dos pais caía sobre a sua descendência. No versículo 4 esta é a resposta de Deus: "a alma que pecar, essa morrerá". A Bíblia em linguagem moderna parafraseia adequadamente: "Porque todas as almas são minhas para julgar   pais e filhos de igual maneira   e a minha lei é esta: é pelo seu próprio pecado que um homem morrerá". Assim, o contexto revela que a palavra inspirada não está falando aqui sobre a condição dos mortos.
A palavra alma é usada em muitos sentidos diferentes através das Escrituras Sagradas. Às vezes se refere à vida de uma pessoa, às vezes à própria pessoa (como faz aqui em Ez. 18:4). E às vezes se refere à parte interior do homem que vive após a morte. As testemunhas de Jeová dizem que o homem cessa completamente de existir com a morte, que quando o corpo morre, nada é deixado. Mas existem muitos versos das Escrituras Sagradas que provam que elas estão erradas:
Por exemplo, peça lhes que procurem Lucas 12:4,5. Sua Tradução do Novo Mundo diz: "... não temais os que matam o corpo e depois disso não podem fazer mais nada. Mas eu vos indicarei quem é para temer: Temei aquele que depois da morte tem autoridade para lançar na Geena. Sim, eu vos digo: temei a este. Portanto o corpo de um homem pode ser morto. E ele está morto. Mas alguma coisa pode ser feita a ele depois da morte. Ele pode  ser  lançado na Geena". Se as testemunhas de Jeová dizem que o homem cessou de existir quando o seu corpo foi morto, o que restaria para ser lançado na Geena?
Da mesma forma, em II Coríntios 5, o apóstolo Paulo escreveu sobre o corpo como "uma casa terrestre onde vivemos", acrescentando que "desejamos antes estar ausentes deste corpo, para estarmos presentes com o Senhor", e advertindo que "porque é necessário que todos nós sejamos manifestos diante do tribunal de Cristo, para que cada um receba o que fez por meio do corpo..." (v. 1,8 10). Se as testemunhas de Jeová estivessem corretas, que parte de Paulo poderia deixar o corpo para estar com o Senhor?
Você também pode sugerir à testemunha de Jeová que leia Apocalipse 6:9-11 em sua própria Bíblia. Ali fala se da "alma dos que tinham sido mortos", perguntando a Deus quando o seu sangue seria vingado. E acrescenta que "a cada um deles foi dada uma comprida veste branca e foi lhes dito que descansassem mais um pouco, até que se completasse também o número dos seus co escravos e irmãos, que estavam para ser mortos assim como eles também tinham sido". Sim, estas almas haviam sido mortas, mas elas são descritas como estando na presença de Deus e estando engajadas em uma conversa com ele.
(Veja também as considerações sobre Salmo 146:3,4; Eclesiastes 9:5; Lucas16:22 28,23:43.)

 Daniel 10 13 21, 12:1
 "...e eis que veio ajudar me Miguel, um dos mais destacados príncipes . ...Miguel, vosso príncipe... E durante esse tempo pôr se á de pé Miguel, o grande príncipe que está de pé a favor de teu povo." (Tradução do Novo Mundo)
A Sociedade Torre de Vigia ensina às testemunhas de Jeová que Jesus era meramente um anjo, que nasceu como um ser humano, morreu como um sacrifício pelo pecado, e ressurgiu como um anjo uma vez mais. Elas se referem a ele como "Jesus Cristo, que nós entendemos das Escrituras Sagradas ser o arcanjo Miguel" (A Sentinela, 15/02/79, p.31, edição norte americana). Mas é realmente isto  o que a Bíblia ensina? Ou, antes, é isto um ensinamento que os líderes da Torre de Vigia sobrepõem às Escrituras?
A Palavra inspirada de Deus menciona Miguel cinco vezes  como (1) "um dos mais destacados príncipes" (Dan. 10:13, Tradução do Novo Mundo); (2) "vosso príncipe"[do povo de Daniel]; (3) "o grande príncipe que está de pé a favor dos filhos de teu povo"[povo de Daniel] (Dan. 12:1, Tradução do Novo Mundo); (4) "o arcanjo" que "teve uma controvérsia com o Diabo e disputava o corpo de Moisés, não se atreveu a lançar um julgamento contra ele em termos ultrajantes" (Jud. 9, Tradução do Novo Mundo); e (5) um participante do conflito celestial quando "Miguel e seus anjos batalhavam contra o dragão" (Rev.[Apocalipse] 12:7, Tradução do Novo Mundo). Qual destes versículos afirma que Miguel é Jesus Cristo? Nenhum deles! É necessário ler as Escrituras e mais um complicado argumento das testemunhas de Jeová para se chegar a esta conclusão.
A Sociedade Torre de Vigia também procura sustentação em outro versículo que não usa o nome de Miguel, mas diz: "porque o próprio Senhor descerá do céu com uma chamada dominante, com voz de arcanjo e com a trombeta de Deus" (1 Tess. 4:16, Tradução do Novo Mundo). Mas, se usar a voz do arcanjo faz de Deus um arcanjo, então ter a trombeta de Deus faz do arcanjo Deus  embora os líderes da Torre de Vigia mencionem apenas a primeira parte do versículo.
A Bíblia ensina em algum lugar que Jesus Cristo é um mero anjo? Ao contrário, o primeiro capítulo de Hebreus foi escrito, em sua totalidade, para demonstrar a superioridade do Filho de Deus comparado aos anjos. Versículo após versículo contrasta os anjos com:
 ...pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, e por quem fez também o mundo; sendo ele o resplendor da sua glória e a expressa imagem do seu Ser, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo ele mesmo feito a purificação dos pecados, assentou se à direita da Majestade nas alturas, feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles. Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei Pai, e ele me será Filho? E outra vez, ao introduzir no mundo o primogénito, diz E todos os anjos de Deus o adorem. Ora, quanto aos anjos, diz: Quem de seus anjos faz ventos, e de seus ministros labaredas de fogo. Mas do Filho diz: O teu trono, ó Deus, subsiste pelos séculos dos séculos, e cetro de eqüidade é o cetro do teu reino. E: tu, Senhor, no princípio fundaste a terra... (Heb. 1:2 8,10).
 O Filho é o "reflexo" da glória do pai e a "exata" representação de seu próprio ser, e sustentando todas as coisas pela palavra de seu poder   algo que nenhum anjo poderia fazer no mesmo segundo   a tradução da Torre de Vigia de Hebreus 1:3(Tradução do Novo Mundo).
Além disso, os anjos bons se recusam veementemente a aceitar adoração. Quando o apóstolo João se prostrou aos pés do anjo para o adorar, o anjo o repreendeu dizendo: "Toma cuidado! Não faças isso! Adora a Deus" (Rev. [Apocalipse] 22:8,9, Tradução do Novo Mundo). Mas o mandamento do Pai aos anjos a respeito do Filho é: "e todos os anjos de Deus o adorem" (Heb. 1:6, Tradução do Novo Mundo, 1961).
Em edições mais recentes, a Sociedade Torre de Vigia mudou a palavra "adorem" para "reverenciem" em Hebreus 1:6. Ainda assim, a despeito de como a palavra é traduzida, a mesma palavra grega proskuneo é usada tanto em Apocalipse 22:8,9 e Hebreus 1:6. A proskuneo (adoração ou obediência) que os anjos se recusam a aceitar, mas dizem que é devida apenas a Deus, é a mesma proskuneo (adoração ou obediência) que o Pai ordena aos anjos que seja prestada ao Filho em Hebreus 1:6. Assim, o Filho não pode ser um anjo, ele é Deus. (Veja as considerações sobre Hebreus 1:6.)
As pessoas que deixam de seguir a Sociedade Torre de Vigia, e começam a seguir a Jesus Cristo, logo percebem que ele não é meramente um anjo. Esta compreensão é importante para que elas "honrem o Filho, assim como honram o Pai" (João 5:23, Tradução ,do Novo Mundo).
(Veja também os comentários sobre Isaías 9:6; João 1:1, 20:28; Colossenses 1:15; Apocalipse 1:7,8, 3:14.)

1 -  Em Que Crêem as Testemunhas de Jeová
2 -  A Bíblia Que as Testemunhas de Jeová Usam
3 -  As Testemunhas de Jeová Refutadas Versículo Por Versículo Antigo Testamento
4 -  As Testemunhas de Jeová Refutadas Versículo Por Versículo  Novo Testamento
5 -  História Condensada das Testemunhas de Jeová
6 -  Técnicas Para Compartilhar o Evangelho com as Testemunhas de Jeová 

Fonte: AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ REFUTADAS VERSÍCULO POR VERSÍCULO
2ª Edição
Tradução de Marcelus Virgílius Oliveira e Valéria Oliveira
Adaptação para Web e revisão (sob permissão do autor)

Todos os direitos reservados. Copyright ® 1989 da Junta de Educação Religiosa e Publicações da Convenção Batista
Brasileira. Direitos cedidos, mediante contrato, pela Baker Book House, P.O. Box 6287, Crand Rapids, Michigan 49506, USA.
Referências Bíblicas: A Bíblia Vida Nova, A Bíblia de Jerusalém, Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, O Novo
Testamento Vivo, Bíblia Viva, Versão Revisada da imprensa Bíblica Brasileira.
Nota do Tradutor: A Bíblia Vida Nova foi adotada como base neste trabalho. As demais versões foram usadas sempre que
consideradas relevantes à exata compreensão do pensamento do autor (e aparecem especificadas no texto). O autor usa nove
diferentes versões em língua inglesa que nem sempre encontram correspondência em português.
Traduzido do original em Inglês: Jehovah's Witnesses Answered Verse by Verse
Share this article :

0 comentários:

Acompanhe no Facebook

Postagens Recentes

Autoridade Espiritual

Autoridade espiritual não é algo imputada a alguém, é alguma coisa que se reconhece em alguém, que tem por causa da sua coerência de existência na palavra. Por causa da sua intrepidez na fé, na sua sinceridade no serviço a Deus e ao próximo. Sem isso não adiante ser PHD ou qualquer outro coisa.

Fale com o autor do blog

Original Bíblico para Pesquisas

A Restauração não começou em 1962

CURIOSIDADES SOBRE O VÉU

SAIBA COMO FOI

Nosso Ranking do Brasil

e-clipping sobre Daniel Alves Pena

MENSAGENS

Translate

Receba novos artigos por Email

Inscreva-se em meu Canal no You Tube

A DOUTRINA BÍBLICA DO USO DO VÉU

Pentecostal?

Quantidade de visitas até o momento

Visitantes lendo o Blog agora

Pesquisar neste blog

Código Penal - Decreto-lei 2848/40

Decreto-lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940
Ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato a ele relativo
Art. 208 - Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso: Pena - detenção, de um mês a um ano, ou multa.Parágrafo único - Se há emprego de violência, a pena é aumentada de um terço, sem prejuízo da correspondente à violência.

TOLERANDO A GENTE SE ENTENDE

Clique AQUI e saiba porque

ISSO NÃO SÃO LÍNGUAS ESTRANHAS

CONHEÇA A HISTÓRIA DA OBRA

Clique na imagem para ampliar

Ajuste de Conduta - Magno Malta

Anúncios AdSense

Pois muitos andam entre nós evangélicos

Intolerância Religiosa

LinkWithin

União de Blogueiros Evangélicos

 
Copyright © 2013. Daniel Alves Pena - All Rights Reserved
Template Adpted by Daniel Pweb Published by Daniel Pena
Ora, daqueles que pareciam ser alguma coisa, esses, nada me acrescentaram,antes, pelo contrário, (Gálatas 2.6)