E junto deles restauraram os tecoítas - Daniel Alves Pena

Assista o novo vídeo de Daniel Alves Pena - [Fechar o vídeo]

Headlines News :
Home » » E junto deles restauraram os tecoítas

E junto deles restauraram os tecoítas

Postado por Daniel Pena em domingo, 28 de março de 2010 | 22:20

Neemias 3
1E levantou-se Eliasibe, o sumo sacerdote, com os seus irmãos, os sacerdotes, e reedificaram a porta das ovelhas, a qual consagraram; e levantaram as suas portas, e até à torre de Meá consagraram, e até à torre de Hananel.
2E junto a ele edificaram os homens de Jericó; também ao seu lado edificou Zacur, filho de Imri.
3E a porta do peixe edificaram os filhos de Hassenaá; a qual emadeiraram, e levantaram as suas portas com as suas fechaduras e os seus ferrolhos.
4E ao seu lado reparou Meremote, filho de Urias, o filho de Coz; e ao seu lado reparou Mesulão, filho de Berequias, o filho de Mesezabeel; e ao seu lado reparou Zadoque, filho de Baana.
5E ao seu lado repararam os tecoítas; porém os seus nobres não submeteram a cerviz ao serviço de seu senhor.
6E a porta velha repararam-na Joiada, filho de Paséia, e Mesulão, filho de Besodias; estes a emadeiraram, e levantaram as suas portas com as suas fechaduras e os seus ferrolhos.
7E ao seu lado repararam Melatias, o gibeonita, e Jadom, meronotita, homens de Gibeom e Mizpá, que pertenciam ao domínio do governador dalém do rio.
8Ao seu lado reparou Uziel, filho de Haraías, um dos ourives; e ao seu lado reparou Hananias, filho de um dos boticários; e fortificaram a Jerusalém até ao muro largo.
9E ao seu lado reparou Refaías, filho de Hur, líder da metade de Jerusalém.
10E ao seu lado reparou Jedaías, filho de Harumafe, e defronte de sua casa e ao seu lado reparou Hatus, filho de Hasabnéias.
11A outra porção reparou Malquias, filho de Harim, e Hasube, filho de Paate-Moabe; como também a torre dos fornos.
12E ao seu lado reparou Sallum, filho de Haloés, líder da outra meia parte de Jerusalém, ele e suas filhas.
13A porta do vale reparou-a Hanum e os moradores de Zanoa; estes a edificaram, e lhe levantaram as portas com as suas fechaduras e os seus ferrolhos, como também mil côvados do muro, até a porta do monturo.
14E a porta do monturo reparou-a Malquias, filho de Recabe, líder do distrito de Bete-Haquerem; este a edificou, e lhe levantou as portas com as suas fechaduras e os seus ferrolhos.
15E a porta da fonte reparou-a Salum, filho de Col-Hosé, líder do distrito de Mizpá; este a edificou, e a cobriu, e lhe levantou as portas com as suas fechaduras e os seus ferrolhos, como também o muro do tanque de Hasselá, ao pé do jardim do rei, e até aos degraus que descem da cidade de Davi.
16Depois dele edificou Neemias, filho de Azbuque, líder da metade de Bete-Zur, até defronte dos sepulcros de Davi, até ao tanque artificial e até à casa dos valentes.
17Depois dele repararam os levitas, Reum, filho de Bani; ao seu lado reparou Hasabias, líder da metade de Queila, no seu distrito.
18Depois dele repararam seus irmãos, Bavai, filho de Henadade, líder da outra meia parte de Queila.
19Ao seu lado reparou Ezer, filho de Jesuá, líder de Mizpá, outra porção, defronte da subida à casa das armas, à esquina.
20Depois dele reparou com grande ardor Baruque, filho de Zabai, outra medida, desde a esquina até à porta da casa de Eliasibe, o sumo sacerdote.
21Depois dele reparou Meremote, filho de Urias, o filho de Coz, outra porção, desde a porta da casa de Eliasibe, até à extremidade da casa de Eliasibe.
22E depois dele repararam os sacerdotes que habitavam na campina.
23Depois reparou Benjamim e Hasube, defronte da sua casa; depois dele reparou Azarias, filho de Maaséias, o filho de Ananias, junto à sua casa.
24Depois dele reparou Binui, filho de Henadade, outra porção, desde a casa de Azarias até à esquina, e até ao canto.
25Palal, filho de Uzai, reparou defronte da esquina, e a torre que sai da casa real superior, que está junto ao pátio da prisão; depois dele Pedaías, filho de Parós.
26E os servidores do templo que habitavam em Ofel, até defronte da porta das águas, para o oriente, e até à torre alta.
27Depois repararam os tecoítas outra porção, defronte da torre grande e alta, e até ao muro de Ofel.
28Desde acima da porta dos cavalos repararam os sacerdotes, cada um defronte da sua casa.
29Depois deles reparou Zadoque, filho de Imer, defronte da sua casa; e depois dele reparou Semaías, filho de Secanias, guarda da porta oriental.
30Depois dele reparou Hananias, filho de Selemias, e Hanum, filho de Zalafe, o sexto, outra porção; depois dele reparou Mesulão, filho de Berequias, defronte da sua câmara.
31Depois dele reparou Malquias, filho de um ourives, até à casa dos servidores do templo e mercadores, defronte da porta de Mifcade, e até à câmara do canto.
32E entre a câmara do canto e a porta das ovelhas, repararam os ourives e os mercadores.

Neemias 4
1E sucedeu que, ouvindo Sambalate que edificávamos o muro, ardeu em ira, e se indignou muito; e escarneceu dos judeus.
2E falou na presença de seus irmãos, e do exército de Samaria, e disse: Que fazem estes fracos judeus? Permitir-se-lhes-á isto? Sacrificarão? Acabá-lo-ão num só dia? Vivificarão dos montões do pó as pedras que foram queimadas?
3E estava com ele Tobias, o amonita, e disse: Ainda que edifiquem, contudo, vindo uma raposa, derrubará facilmente o seu muro de pedra.
4Ouve, ó nosso Deus, que somos tão desprezados, e torna o seu opróbrio sobre a sua cabeça, e dá-los por presa, na terra do cativeiro.
5E não cubras a sua iniqüidade, e não se risque de diante de ti o seu pecado, pois que te irritaram na presença dos edificadores.
6Porém edificamos o muro, e todo o muro se fechou até sua metade; porque o coração do povo se inclinava a trabalhar.
7¶ E sucedeu que, ouvindo Sambalate e Tobias, e os árabes, os amonitas, e os asdoditas, que tanto ia crescendo a reparação dos muros de Jerusalém, que já as roturas se começavam a tapar, iraram-se sobremodo,
8E ligaram-se entre si todos, para virem guerrear contra Jerusalém, e para os desviarem do seu intento.
9Porém nós oramos ao nosso Deus e pusemos uma guarda contra eles, de dia e de noite, por causa deles.
10Então disse Judá: Já desfaleceram as forças dos carregadores, e o pó é muito, e nós não poderemos edificar o muro.
11Disseram, porém, os nossos inimigos: Nada saberão disto, nem verão, até que entremos no meio deles, e os matemos; assim faremos cessar a obra.
12E sucedeu que, vindo os judeus que habitavam entre eles, dez vezes nos disseram: De todos os lugares, tornarão contra nós.
13Então pus guardas nos lugares baixos por detrás do muro e nos altos; e pus ao povo pelas suas famílias com as suas espadas, com as suas lanças, e com os seus arcos.
14E olhei, e levantei-me, e disse aos nobres, aos magistrados, e ao restante do povo: Não os temais; lembrai-vos do grande e terrível Senhor, e pelejai pelos vossos irmãos, vossos filhos, vossas mulheres e vossas casas.
15E sucedeu que, ouvindo os nossos inimigos que já o sabíamos, e que Deus tinha dissipado o conselho deles, todos voltamos ao muro, cada um à sua obra.
16¶ E sucedeu que, desde aquele dia, metade dos meus servos trabalhava na obra, e metade deles tinha as lanças, os escudos, os arcos e as couraças; e os líderes estavam por detrás de toda a casa de Judá.
17Os que edificavam o muro, os que traziam as cargas e os que carregavam, cada um com uma das mãos fazia a obra e na outra tinha as armas.
18E os edificadores cada um trazia a sua espada cingida aos lombos, e edificavam; e o que tocava a trombeta estava junto comigo.
19E disse eu aos nobres, aos magistrados e ao restante do povo: Grande e extensa é a obra, e nós estamos apartados do muro, longe uns dos outros.
20No lugar onde ouvirdes o som da buzina, ali vos ajuntareis conosco; o nosso Deus pelejará por nós.
21Assim trabalhávamos na obra; e metade deles tinha as lanças desde a subida da alva até ao sair das estrelas.
22Também naquele tempo disse ao povo: Cada um com o seu servo fique em Jerusalém, para que à noite nos sirvam de guarda, e de dia na obra.
23E nem eu, nem meus irmãos, nem meus servos, nem os homens da guarda que me seguiam largávamos as nossas vestes; cada um tinha suas armas e água.


Vamos ver um dos capítulos mais belos do Antigo Testamento. Trata-se de Neemias 3. Ao lê-lo, vê-se a atenção que o Senhor dá a todas as coisas que nós fazemos por amor do seu Nome. O Senhor diz que nem um copo de água dada a um dos seus discípulos, por pequeno que seja, ficará sem recompensa. Há recompensa de justo para quem recebe a um justo e há recompensa de profeta para quem recebe a um profeta (Mat. 10:41-42). Estas distinções, tão sutis ao nosso entendimento, indicam-nos que tudo o que o Senhor faz é perfeito, e que tudo está consignado à perfeição. Ninguém poderá dizer naquele dia: 'Senhor, a esse está dando mais recompensa do que merece', ou 'está me dando menos do que mereço'. O Senhor terá o detalhe de todas as coisas que fizemos por amor do seu Nome.

É que há um livro nos céus onde se registra tudo isto. Em Malaquias 3:16 diz: "Então os que temiam ao Senhor falaram cada um com o seu companheiro; e o Senhor escutou e ouviu, e foi escrito um livro de memória diante dele para os que temem ao Senhor, e para os que pensam em seu nome." Evidentemente, este não é um livro para condenar. Diz que é para os que temem ao Senhor e para os que pensam em seu nome. Este é um livro de recompensas. Malaquias viveu em dias de profunda crise, nos quais o povo se apartou de Deus. No entanto, até nessas circunstâncias, Deus está atento ao que faz o seu remanescente fiel, para tomar nota de sua fidelidade.

Igualmente ocorre hoje em dia. Vejamos Neemias capítulo 3, onde temos uma amostra do que é aquele livro de memórias que está nos céus.

Sabemos que Neemias recebeu um encargo por Jerusalém quando grande parte da cidade ainda estava em ruínas. O Senhor permitiu que o rei, ao qual servia, desse-lhe permissão e ainda lhe provesse os recursos para ir a Jerusalém. Quando chegou, Neemias expôs o que trazia em seu coração aos que ali viviam, e, face à oposição de muitos, eles iniciaram a obra da reconstrução do muro e das suas portas.

Neste capítulo mostra a perseverança das pessoas e dos grupos de pessoas que tomaram parte nessa reconstrução. Alguns reedificaram as brechas do muro. Outros reedificaram as portas. E outros até reedificaram brechas no muro e as portas.

Neste capítulo ficou tudo registrado com apreço. Se estivesse em frente da porta, se estivessem perto ou se estivessem mais à frente. Se for esta torre ou for a outra, se for esta porta ou a outra; se participou este ou aquele, se participaram estes ou aqueles.

O selo da aprovação de Deus

Vamos destacar agora algumas coisas. Há algo assombroso aqui. Neste capítulo aparecem exatamente quarenta nomes de pessoas. Isto é tremendamente significativo. Nós sabemos que quarenta não é um número qualquer na Escritura.

O dilúvio durou quarenta dias e quarenta noites. Quarenta dias Israel esteve no deserto. Moisés este quarenta dias no monte Sinai (duas vezes). Jonas anunciou a destruição sobre Nínive em quarenta dias. Quarenta dias o Senhor jejuou no deserto. Depois da sua ressurreição, o Senhor apareceu aos seus discípulos por quarenta dias, etc.

Será casualidade que aqui apareçam quarenta nomes envolvidos na obra de reconstrução? Não é casualidade. Isto é um sinal de que Deus quer nos dizer algo importante aqui. É que há um livro de memórias diante de Deus que fala a respeito dos que tomam parte em sua obra.

Além dos quarenta, aparecem aqui dez grupos de pessoas. Isto também é muito significativo. São os sacerdotes irmãos de Eliasibe (3:1), os sacerdotes da planície (3:22) e os sacerdotes (3:28), os levita (3:17), os serventes do templo (3:26), os ourives (3:32), os mercadores (3:32), os homens de Jericó (3:2), os tecoitas (3:5) e os moradores de Zanoa (3:13). No total, dez grupos.

A Escritura, inspirada pelo Espírito Santo, é perfeita em todas as coisas. Nós sabemos que entre a Páscoa dos judeus e o Pentecostes há cinqüenta dias. Logo que o Senhor Jesus ressuscitou, apareceu por quarenta dias aos seus discípulos e disse-lhes que ficassem em Jerusalém até a vinda do Espírito Santo. Quando chegou o Pentecostes, realizou o seu derramamento. Quantos dias transcorreram entre a ascensão do Senhor e o Pentecostes? Dez dias. Se somarmos quarenta mais dez, temos cinqüenta.

O dez é o número da perfeição do homem, entretanto o cinco (ou o cinqüenta) é o número da responsabilidade do homem diante de Deus. Assim que as obras são a responsabilidade do homem diante de Deus.

Um registro estimulante

Em Neemias 3:3 vemos que a tarefa dos filhos de Hassenaá era reedificar a porta dos Peixes: "Os filhos de Hassenaá edificaram a porta do Peixe; eles a madeiraram, e levantaram as suas portas, com suas fechaduras e ferrolhos."

Notem vocês que a obra deles terminou com os ferrolhos, não antes. Eis aqui todo o processo: madeiraram-na, levantaram-na, puseram as suas fechaduras, e finalmente os seus ferrolhos. A reconstrução da porta não parou nas fechaduras, eles também puseram os ferrolhos. Eles fizeram uma obra perfeita. Assim têm que serem feitas as coisas para Deus.

No versículo 3 diz, além disso, que toda uma família -os filhos de Hassenaá- edificaram a porta do Peixe. Certamente o pai (Hassenaá) estava morto, e por isso os filhos edificaram em seu nome a porta, do contrário diria: 'Hassenaá e seus filhos'. Notem, ao contrário, que a porta Velha foi restaurada só por duas pessoas: "Por Joiada filho de Paséia e Mesulão filho de Besodeías" (3:6). Assim no versículo 3 temos uma família completa reedificando uma porta, e no versículo 6 temos duas pessoas reedificando outra porta.

"E junto deles restauraram os tecoítas; porém os seus nobres não se prestaram para ajudar à obra do seu Senhor" (3:5). Aqui vemos que os tecoítas fizeram a sua parte e, pelo versículo 27, sabemos que, além disso, fizeram outra parte: "depois deles restauraram os tecoítas outra parte, em frente da grande torre que se sobressai, até o muro de Ofel". Os tecoítas são os únicos que aparecem fazendo voluntariamente um duplo trabalho. Que glória a dos tecoítas! De nenhum outro grupo é dito isso.

Notem também que os tecoítas trabalharam sem os seus líderes: estes não se ofereceram para realizar a obra do Senhor. Por que o Espírito Santo diz isso? Por que não diz simplesmente "os tecoítas reedificaram isto e depois reedificaram mais à frente outra parte"? Diz: "Mas os seus grandes não se prestaram para ajudar". Menciona os que trabalharam e os que se negaram a trabalhar. O Senhor também toma nota dos remissos.

No versículo 32 diz que a parte compreendida entre a sala da esquina e a porta das Ovelhas foi restaurada pelos ourives e os mercadores. E no versículo 8 diz que um dos ourives, Uziel, restaurou uma parte. Quer dizer, Uziel, como ourives, junto aos do seu ofício, restaurou uma parte; e em seguida ele, por si só, restaurou outra. Aqui Uziel é mencionado à parte, e tem uma glória e uma recompensa que outros ourives não tiveram.

O que pode isto nos ensinar? Que na obra de Deus há lugar para a disposição e entrega pessoal. Você pode participar com o seu grupo, por exemplo, os diáconos, mas você tem liberdade para servir além disso. Assim ocorre na Escritura com Estevão e com Felipe. Eles estavam entre os sete diáconos da igreja em Jerusalém, mas ambos realizaram uma obra que excedeu o seu ministério de diaconato. Estevão fez grandes prodígios e sinais entre o povo, dando testemunho da fé; foi, além disso, o primeiro mártir. Felipe, entretanto, pregou o evangelho em Azoto, na Samaria, e em seguida em Cesaréia, onde a Escritura o apresenta como evangelista (At. 21:8). Era diácono somente ou também evangelista? Era também evangelista. De maneira que na obra de Deus, existe a possibilidade de estender o nosso serviço segundo a consagração e disposição de cada um.

No versículo 12 diz: "junto a eles restaurou Salum filho de Haloés, governador da metade da região de Jerusalém, ele com as suas filhas." Salum restaurou com as suas filhas. Em Israel, quem não tinha filhos homens se sentia desonrado. Salum só tinha filhas. Elas também tomaram parte na obra. Pensam que no Antigo Testamento as mulheres estão relegadas, mas aqui as filhas de Salum têm uma recompensa segura diante de Deus por sua obra.

No versículo 13 diz que Hanum, com os moradores de Zanoa, restauraram uma porta e mil côvados do muro (450 metros). Quer dizer, não só restaurou uma porta, como outros fizeram. Ele restaurou, além disso, um lance do muro. Tem uma dupla honra.

No versículo 20 vemos que Baruque restaurou "com todo ardor" o lance da esquina até a porta da casa de Eliasibe sumo sacerdote. Notemos que edificou em frente à casa de Eliasibe, o sumo sacerdote (a maior autoridade religiosa em Israel). Isso motivava, por acaso, o seu ardor? Ele tinha uma convicção muito forte de estar servindo a Deus? Como terá sido o trabalho de Baruque que o Espírito Santo deixou registrado do seu ardor! Baruque não fez de qualquer forma, porque esta é a única pessoa de quem se diz com que ânimo o fez. Não importa só o que fazemos, mas também como o fazemos.

No versículo 1 diz: "Então se levantou o sumo sacerdote Eliasibe com os seus irmãos os sacerdotes, e edificaram a porta das Ovelhas." A parte do trabalho de Eliasibe foi reedificar a porta das Ovelhas. Isto nos faz relembrar o Senhor, que é a Porta das ovelhas (João 10:7). Eliasibe era sumo sacerdote, que apresentava as ofertas diante de Deus. Ele, como sumo sacerdote, reedificou a porta das Ovelhas, e outros -Baruque e Meremote- edificaram o muro em frente a sua casa (3:20-21). Não é este um exemplo claro de serviço mútuo? Eliasibe, por sua alta posição, apresenta as ofertas diante do Senhor, e outros servem ao sumo sacerdote, ajudando-lhe na obra que ele não pode cuidar por servir ao Senhor.

No versículo 23 diz que Benjamim e Hassube restauraram "defronte a sua casa"; e que Azarias restaurou "próximo da sua casa". Eis aqui dois advérbios de lugar. Parece ser um detalhe tão pequeno, mas também é registrado pelo Espírito Santo.

O versículo 28 diz: "Da porta dos Cavalos restauraram os sacerdotes, cada um em frente da sua casa". Em 3:1 víamos que o sumo sacerdote não reedificou em frente da sua casa, os sacerdotes, ao contrário sim. Eles trabalharam somente em frente das suas próprias casas. O sumo sacerdote tinha um encargo especial, mas eles não. Eles não fizeram como fez o sumo sacerdote, mas sim como Deus lhes indicou que fizessem.

No versículo 30 diz que um dos reedificadores foi Hanum, "sexto filho de Zalafe". Se foi mencionado o sexto filho de um homem, por que não é mencionado nenhum dos outros cinco? Eles não fizeram nada, do contrário teriam sido registrados. Por que não diz simplesmente "os filhos de Zalafe"? Porque o importante é o sexto: Hanum. Irmão, se a sua família não servir ao Senhor, você tem que fazê-lo de todas as maneiras. O Senhor não vai te dar um pagamento conforme a injustiça da sua família, como tampouco vai dar a sua família o pagamento por sua justiça.

No final do versículo 30 é dito que Mesulão restaurou "em frente da sua câmara". Isto nos sugere uma obra pequena; no entanto, Mesulão é um dos quarenta. No versículo 31 vemos a obra que fez Melquias, uma obra muito maior. Tanto Melquias como Mesulão estão registrados.

Seja pequena ou grande a sua obra, todos ficam registrados neste livro de memória diante de Deus. Eles e as suas obras, e até a forma como as fizeram. Por que razão? Porque "cada um receberá a sua recompensa conforme o seu trabalho" (1ª Coríntios 3:8b).

À luz de Malaquias 3:16, o que é Neemias 3, a não ser um livro de memórias diante de Deus, em relação aos homens e as mulheres que tomaram parte na reconstrução do muro e das portas de Jerusalém? Não era uma obra de homens, era a obra do Senhor. Não era somente a reconstrução dos muros de Jerusalém: era a obra do seu Senhor.

Assim, o Senhor leva um livro de memórias exato, perfeito e completo de toda a obra de amor que os filhos de Deus fazem por causa do seu Nome.

Que o Senhor nos ajude a ser diligentes em sua obra. Amém.

Extraído do livro "Consagração e serviço".
Share this article :

0 comentários:

Acompanhe no Facebook

Postagens Recentes

Autoridade Espiritual

Autoridade espiritual não é algo imputada a alguém, é alguma coisa que se reconhece em alguém, que tem por causa da sua coerência de existência na palavra. Por causa da sua intrepidez na fé, na sua sinceridade no serviço a Deus e ao próximo. Sem isso não adiante ser PHD ou qualquer outro coisa.

Fale com o autor do blog

Original Bíblico para Pesquisas

A Restauração não começou em 1962

CURIOSIDADES SOBRE O VÉU

SAIBA COMO FOI

Nosso Ranking do Brasil

e-clipping sobre Daniel Alves Pena

MENSAGENS

Translate

Receba novos artigos por Email

Inscreva-se em meu Canal no You Tube

A DOUTRINA BÍBLICA DO USO DO VÉU

Pentecostal?

Quantidade de visitas até o momento

Visitantes lendo o Blog agora

Pesquisar neste blog

Código Penal - Decreto-lei 2848/40

Decreto-lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940
Ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato a ele relativo
Art. 208 - Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso: Pena - detenção, de um mês a um ano, ou multa.Parágrafo único - Se há emprego de violência, a pena é aumentada de um terço, sem prejuízo da correspondente à violência.

TOLERANDO A GENTE SE ENTENDE

Clique AQUI e saiba porque

ISSO NÃO SÃO LÍNGUAS ESTRANHAS

CONHEÇA A HISTÓRIA DA OBRA

Clique na imagem para ampliar

Ajuste de Conduta - Magno Malta

Anúncios AdSense

Pois muitos andam entre nós evangélicos

Intolerância Religiosa

LinkWithin

União de Blogueiros Evangélicos

 
Copyright © 2013. Daniel Alves Pena - All Rights Reserved
Template Adpted by Daniel Pweb Published by Daniel Pena
Ora, daqueles que pareciam ser alguma coisa, esses, nada me acrescentaram,antes, pelo contrário, (Gálatas 2.6)